Falando sobre amor, paixão, encontros e desencontros…

Arquivo para a categoria ‘Pensamentos/Reflexões’

Uma segunda chance

Dizem que temos que perder para enfim… Encontrar

Dizem que temos que dar um passo atrás para enfim… Dar dois passos à frente

É preciso sentir falta daquilo que estamos acostumados

Porque sem sabermos e sem a menor intenção

Costuma-se valorizar a pessoa, a situação ou a coisa errada

E a pessoa, a situação, ou o que quer que seja que está bem ao nosso lado e bem a nossa frente

Não enxergamos!

Mas poucas são as vezes que temos o privilégio e a sorte de ganharmos uma segunda chance

De poder consertar onde se errou

De poder reviver momentos que o tempo e nem a lembrança consegue apagar

De poder sentir que mesmo com a distância, mesmo com a mágoa, mesmo com a indiferença

Nada mudou!

É… Realmente tem coisas que não mudam… E que não se entende…

Meu príncipe

 

 

Tudo o que eu queria era encontrar com o meu príncipe encantado.

Tudo o que eu fiz ou deixei de fazer foi porque eu o procurava.

Queria viver um amor de verdade e sem aparências.

Dormir agarradinho, fazer sexo gostoso com cumplicidade.

Desejo, atenção, carinho, cuidados…

 

Mas não o encontrei!

Descobri da pior maneira possível que ele não existe!

Pelo menos não aquele que eu imaginava!

E na busca do meu príncipe…

Eu esbarrei com muitos sapos rs

 

Mas reconheço que apenas um… Somente encontrei um…

Um único homem decente, sensível, fiel, verdadeiro, amável, generoso etc

Mas eu o deixei ir embora.

A mulher…

A mulher tem forças que maravilham a todos.

Agüentam dificuldades, levam grandes cargas,

mas têm felicidade,  amor e alegria.

Sorriem quando querem gritar.

Cantam quando querem chorar.

Choram quando

estão felizes e riem quando estão nervosas.  
 
 Lutam pelo que crêem.

Enfrentam à injustiça.

Não aceitam “não” como resposta quando

elas crêem que há uma solução melhor.

Privam-se para que a sua família possa ter.

Amam incondicionalmente.  
 

Choram quando seus filhos triunfam e se alegram

quando seus amigos ganham prêmios.

As lágrimas são sua maneira de

expressar seu destino, sua pena, seu desengano, seu

amor, sua solidão, seu sofrimento, e seu orgulho.

São fortes quando pensam que já não

há mais forças.

Sabem que um beijo e um abraço

podem ajudar a curar um coração partido.  
 
 
Entretanto, há um defeito na mulher:

É que ela se esquece o quanto vale.
 

 
 

Recomece

Recomece Sempre!

Observe a natureza

Tudo nela é recomeço!

No lugar da poda surgem os brotos novos.

Com a água, a planta veceja novamente (renasce).

Nada pára!

A própria terra se veste diferentemente todas as manhãs.

Isso acontece também conosco.

A ferida cicatriza!

As dores desaparecem!

A doença é vencida pela saúde!

A calma vem após o nervosismo!

O descanso restitui as forças!

Recomece!

Anime-se!

Se preciso, faça tudo novamente.

Assim, é a VIDA!

 

*autor desconhecido

Angústia

Hoje me peguei chorando

Uma tristeza profunda me invadiu

Um sentimento de frustração

Uma angústia sem fim

Queria colo

Um colo físico, carinhos e afagos

Mas não tive

Não fisicamente

Ganhei palavras carinhosas e de consolo de uma pessoa muito especial

Uma pessoa ímpar que tive a sorte de conhecer e conviver

Aliás tive não, eu tenho!

Como é bom saber que você é importante para alguém

Como é bom saber que a sua dor é a dor da pessoa

Sua alegria, sua tristeza, sua angústia etc

Obrigada meu amor!

Urgência emocional

Se tudo é para ontem, se a vida engata uma primeira e sai em disparada, se não há mais tempo para paradas estratégicas, caímos fatalmente no vício de querer que os amores sejam igualmente resolvidos num átimo de segundo.

Temos pressa para ouvir “eu te amo”, não vemos a hora de que fiquem estabelecidas as regras de convívio:

 somos namorados, ficantes, casados, amantes?

Urgência emocional.

Uma cilada.

Associamos diversas palavras ao amor: paixão, romance, sexo, adrenalina, palpitação.

Esquecemos, no entanto, da palavra que viabiliza esse sentimento: paciência.

Amor sem paciência não vinga.

Amor não pode ser mastigado e engolido com emergência, com fome desesperada.

É preciso degustar cada pedacinho do amor, no que ele tem de amargo e de saboroso, no que ele tem de duro e de macio, os nervos do amor, as gorduras do amor, as proteínas do amor, as propriedades todas que ele tem.

É uma refeição que pode durar uma vida.

Mas não!

Temos urgência!

Queremos a resposta do e-mail ainda hoje, queremos que o telefone toque sem parar, queremos que ele se apaixone assim que souber nosso nome, queremos que ela se renda logo após o primeiro beijo, e não toleraremos recusas, e não respeitaremos dúvidas, e não abriremos espaço na agenda para esperar.

Temos todo o tempo do mundo, dizem uns; não há tempo a perder, dizem outros: a gente fica perdido no meio deste fogo cruzado, atingidos por informações várias, vivências diversas, parece que todos sabem mais do que nós, pobres de nós, que só queremos uma coisa nessa vida, ser amados.

Podemos esperar por todo o resto: emprego, dinheiro, sucesso, mas não passaremos mais um dia sequer sozinhos.

Te adoro, dizemos sei lá pra quem, para quem tiver ouvidos e souber responder “eu também”, que a gente está mais a fim de acreditar do que de selecionar.

Urgência emocional.

Pronto-socorro do amor.

Atiramos para todos os lados e somos baleados por qualquer um.

E o coração leva um monte de pontos por causa dessa tragédia: pressa.

Uma História de Amor Impossível

Conta a lenda que uma jovem mariposa – de corpo frágil e alma sensível –
voava ao sabor do vento certa tarde,
quando viu uma estrela muito brilhante, e se apaixonou.
Excitadíssima, voltou imediatamente para casa,
louca para contar à mãe que havia descoberto o que era o amor.

– Que bobagem! – foi a resposta fria que escutou.
– As estrelas não foram feitas para que as mariposas
possam voar em torno delas. Procure um poste ou um abajur,
e se apaixone por algo assim; para isso nós fomos criadas.

Decepcionada, a mariposa resolveu simplesmente ignorar
o comentário da mãe, e permitiu-se ficar de novo alegre
com a sua descoberta. – Que maravilha poder sonhar!- pensava.
Na noite seguinte, a estrela continuava no mesmo lugar,
e ela decidiu que iria subir até o céu,
voar em torno daquela luz radiante, e demonstrar seu amor.

Foi muito difícil ir além da altura com a qual estava acostumada,
mas conseguiu subir alguns metros acima do seu vôo normal.
Entendeu que, se cada dia progredisse um pouquinho,
iria terminar chegando na estrela,
então armou-se de paciência
e começou a tentar vencer a distância que a separava de seu amor.
Esperava com ansiedade que a noite descesse,
e quando via os primeiros raios da estrela,
batia ansiosamente suas asas em direção ao firmamento.

Sua mãe ficava cada vez mais furiosa:

– Estou muito decepcionada com a minha filha – dizia.
– Todas as suas irmãs, primas e sobrinhas
já têm lindas queimaduras nas asas, provocadas por lâmpadas!
Só o calor de uma lâmpada é capaz de aquecer o coração
de uma mariposa; você devia deixar de lado estes sonhos inúteis,
e arranjar um amor que possa atingir.

A jovem mariposa, irritada porque ninguém respeitava o que sentia,
resolveu sair de casa. Mas, no fundo – como, aliás, sempre acontece
– ficou marcada pelas palavras da mãe, e achou que ela tinha razão.

Por algum tempo, tentou esquecer a estrela
e apaixonar-se pela luz dos abajures de casas suntuosas,
pelas luminárias que mostravam as cores de quadros magníficos,
pelo fogo das velas que queimavam nas mais belas catedrais do mundo.
Mas seu coração não conseguia esquecer a estrela, e,
depois de ver que a vida sem o seu verdadeiro amor não tinha sentido,
resolveu retomar sua caminhada em direção ao céu.

Noite após noite, tentava voar o mais alto possível,
mas quando a manhã chegava, estava com o corpo gelado
e a alma mergulhada na tristeza. Entretanto,
à medida que ia ficando mais velha,
passou a prestar atenção em tudo que via à sua volta.
Lá do alto, podia enxergar as cidades cheias de luzes,
onde provavelmente suas primas, irmãs e sobrinhas
já tinham encontrado um amor. Via as montanhas geladas,
os oceanos com ondas gigantescas,
as nuvens que mudavam de forma a cada minuto.
A mariposa começou a amar cada vez mais sua estrela,
porque era ela quem a empurrava para ver um mundo tão rico e tão lindo.

Muito tempo se passou, e um belo dia ela resolveu voltar à sua casa.
Foi então que soube pelos vizinhos que sua mãe, suas irmãs,
primas e sobrinhas, e todas as mariposas que havia conhecido
já tinham morrido queimadas nas lâmpadas e nas chamas das velas,
destruídas pelo amor que julgavam fácil.

A mariposa, embora jamais tenha conseguido chegar à sua estrela,
viveu muitos anos ainda, descobrindo toda noite algo diferente
e interessante. E compreendendo que, às vezes,
os amores impossíveis trazem muito mais alegrias
e benefícios que aqueles que estão ao alcance de nossas mãos.

 

*fonte:  Super Frases

Nuvem de tags